Publicado 26/12/2014 20:08:35

Filmes da semana 26/12 até 01/01

Estreia esta semana mais uma comédia nacional, Os Caras de Pau em O Misterioso Roubo do Anel. Assim como ocorreu em outros programas de televisão, Leandro Hassum e Macius Melhem migram seus personagens para o cinema, o que comercialmente funciona e atrai um público cativo. O problema é que o filme é bobo, muito explicadinho e não faz rir. A idéia de referenciar desenhos antigos, dublagens e filmes diversos é boa e afinada com a própria essência dos personagens, mas o resultado acabou sendo um mosaico com sequências sem sentido e até desnecessárias. Na história Jorginho (Leandro Hassum) e Pedrão (Marcius Melhem) são contratados como seguranças para vigiar um anel muito valioso, que está sendo exibido em um museu, e acaba sumindo após uma tentativa de roubo. Me faz lembrar do clássico A Pantera Cor de Rosa, mas problemas no roteiro, acabam por jogar por terra um filme que até prometia algumas risadas. Como é tudo muito explicado, o público adulto cansa e acha o filme bobo, já as crianças, podem até rir, mas também vão precisar se esforçar. Só vale o ingresso para quem gosta da dupla ou está sem opções de laser. Apesar da indicação ser para maiores de 10 anos, não tem nada de mais e as crianças podem ver o filme.

A outra estreia já estava em cartaz em horários reduzidos, Êxodo: Deuses e Reis. Nada mais apropriado do que um filme que conta a história de Moises na semana do Natal. Dirigido por Ridley Scott, este é mais um filme baseado na Bíblia que ganha uma versão nova, com efeitos especiais e ritmo moderno. É a conhecida história de Moises, interpretado por Christian Bale, que descobre ser hebreu e, guiado por Deus, liberta seu povo da escravidão. Por já ter comentado na semana passada, vou me ater mais na adaptação em si. Primeiramente, não entendi qual foi a necessidade de ser incluído romance meloso no enredo, talvez um possível contrapeso para uma história com tantas mortes. Uma boa novidade é Deus, que nessa versão é um menino emburrado e um pouco mimado, acredito ser também um contrapeso, nesse caso, para Ramses. Outro ponto interessante é a força atribuída para as mulheres que vai muito além das batalhas. O resto nós já sabemos, tem briga, pragas, mortes e o mar, afinal, fica todo mundo esperando a cena do mar vermelho. Vale o ingresso pelo espetáculo visual e para quem não conhece a história, lembrando que, não é uma adaptação fiel. Tem muita violência e é recomendado somente para acima de 14 anos.


Sugestão

A sugestão para quem vai preferir ver um bom filme em casa é Nina. Dirigido por Heitor Dhalia, é uma releitura de Crime e Castigo do Dostoievski, com pitadas de expressionismo alemão. Não preciso dizer mais nada, vale a pena ver.

Comentários

Nenhum comentário nesta notícia. Seja o primeiro comentando abaixo!

Comente sobre esta notícia