x
Publicado 01/12/2014 11:01:50

Dia de Combate à Aids em Nova Friburgo

Nova Friburgo vai oferecer uma série de atividades pelo Dia Mundial de Combate à Aids. O evento é organizado pelo programa DST/Aids, da subsecretaria de Vigilância em Saúde, em parceria com a Pastoral pela Vida. A programação começa às 8h com a missa em ação de graças pela vida, na Catedral São João Batista. Ao término da missa, será oferecido um café da manhã para os portadores. Depois, diversas ações de saúde se concentram na Praça Demerval Barbosa Moreira.

Quem passar pela praça poderá aferir a pressão arterial e participar de sessões de massoterapia em parceria com a ADINF (Associação dos Diabéticos de Nova Friburgo). Além disso, serão distribuídos folders informativos e haverá aconselhamento e coleta de sangue para exames de HIV, Hepatite B e C e Sífilis no ônibus da saúde.

O evento contará com a participação dos alunos da Faculdade de Enfermagem da Universidade Estácio de Sá, Escola de Auxiliares e Técnicos de Enfermagem, CAPS (Centro de Apoio Psicossocial), Centro de Combate à Homofobia e ADINF.

Vale ressaltar que o teste rápido para o diagnóstico de HIV leva apenas 15 minutos, necessitando apenas de uma gota de sangue da ponta do dedo para fornecer o resultado.  Não é necessário jejum prévio, sendo requisitado apenas um documento de identidade original com foto.

Avanço da doença
Atualmente, cerca de 35 milhões de pessoas vivem com o vírus do HIV no mundo. O diagnóstico precoce da doença e o aumento do acesso ao tratamento tem dado mais sobrevida aos infectados.Segundo a ONU, a meta é que, em 2015, ao menos 15 milhões estejam recebendo tratamento antirretroviral. Até o fim de 2012, o número era de 9,7 milhões, 20% a mais do que no ano anterior.

No Brasil, o estudo informa que, em 2001, entre 430 mil e 520 mil brasileiros viviam com o vírus do HIV. Em 2012, a estimativa ficou entre 530 mil e 660 mil. A ONU não divulga a quantidade de novos infectados anualmente no país, mas relata que houve redução na relação mortes/por ano em uma década. E ainda, um quarto dos brasileiros com HIV não sabe que está infectado.