Publicado 26/07/2020 21:02:17

Idosos e bichos, a dupla perfeita

No domingo, 26, foi comemorado o Dia dos Avós. O grupo considerado de risco para a Covid-19 tem ficado isolado em casa, até mesmo o contato com os netos passou a ser por uma tela. Nesse momento difícil, o contato com um animal pode deixar os idosos mais felizes, dispostos e, consequentemente, mais saudáveis.

Uma pesquisa publicada pelo National Center Biotechnology Information, dos Estados Unidos, comprovou que pessoas da terceira idade que possuem um bicho de estimação apresentam maior bem-estar físico e psicológico.

Isso acontece porque a relação com o animal libera hormônios do prazer, além de trazer uma tarefa diária, uma função para a vida do idoso. Mas é importante dizer que a escolha do bicho deve levar em conta as características do idoso, e isso vai desde as condições de mobilidade até o tempo disponível.

Cães de grande porte são ótimas companhias, mas podem ser perigosos para os idosos porque pulam, gostam de brincar e têm muita força, podendo causar quedas. Se for um idoso menos ativo, o ideal é optar por um animal que não exija muita atividade física.

Uma boa opção é adotar um cão mais velho, que saberá se comportar bem. Gatos também são ótimos. Neste momento de pandemia, outro ponto fundamental é que os idosos evitem passear com os animais. O gasto de energia pode ser feito dentro de casa com brincadeiras. Também é possível ensinar o cão a fazer as necessidades dentro de casa ou pedir para alguém da família passear com ele e fazer a higienização das patas na volta.

As vacinas são essenciais para manter a saúde dos bichos. Nos gatos, elas devem ser aplicadas aos dois meses de vida, com reforço aos três. Depois, as doses passam a ser anuais. Lívia Romero, veterinária, afirma que as vacinas são V3, V4, V5 e a contra Raiva. Se perder o prazo de vacinação, um veterinário deve ser consultado.

https://odia.ig.com.br/