Publicado 14/03/2018 11:23:43

Faol emite nota após prefeito recusar reajuste tarifa de ônibus

A direção da Faol emitiu nota oficial na manhã desta quarta-feira, 14, relacionada à posição do prefeito Renato Bravo que anunciou que não pretende conceder reajuste na tarifa única de ônibus este ano. A concessionária entregou, esta semana, uma nova planilha de custos pleiteando aumento da passagem dos atuais R$ 3,95 para R$ 4,20.

VEJA A ÍNTEGRA DA NOTA DA FAOL:

"A FAOL pediu o reajuste da tarifa com base na planilha oficial, atualizando os valores de insumos básicos para a operação, tais como combustível, lubrificantes, pneus e outras peças; o aumento previsto para a mão de obra, que tem dissídio coletivo neste mês; e o custo do investimento em novos ônibus, que aumenta o valor de depreciação e atualizando também as médias de passageiros pagantes e gratuitos que atuam como divisor no cálculo do valor final, tudo isso visando a manutenção do equilíbrio econômico-financeiro, como previsto no contrato de concessão.

O foco de nossa empresa é prestar um serviço de qualidade à população de Nova Friburgo, o que fica evidenciado quando vemos os 42 ônibus novos colocados em operação nos últimos 6 meses, medida de maior impacto dentro de uma série de outras que já foram tomadas neste sentido e que já melhoraram significativamente o atendimento prestado, embora saibamos que ainda há muito a ser feito.

Com relação à nota do Prefeito Renato Bravo, a empresa entende a aplaude a iniciativa de se criar uma comissão para discutir não só a tarifa, como todas as demais questões que envolvem o transporte público na cidade.

Concordamos que o valor hoje em vigor, de R$ 3,95, já é caro para quem paga, mas ressaltamos que infelizmente o valor não é suficiente para custear a operação nos moldes atuais. E esse é um tema que já é discutido em todas as cidades do país, não apenas aqui.

Existem diversos itens que oneram os custos que pressionam o aumento do preço das passagens, tais como o elevado número de gratuidades sem fontes de custeio, a excessiva carga tributária, a falta de mobilidade nas vias urbanas e de prioridade para os ônibus, dentre outros, que podem ser discutidos e que, se solucionados no todo ou em partes, podem ajudar na redução do custo operacional ou estimular o uso do transporte coletivo, trazendo de volta passageiros que ajudarão a “dividir a conta”, com isso colaborando para a redução do preço das tarifas.

Certamente a comissão que será criada, sob a orientação do Prefeito, encontrará uma solução justa e equilibrada, que atenda tanto às necessidades e expectativas da população usuária dos ônibus, quanto às da FAOL e dos demais agentes interessados na melhoria do sistema de transportes de nossa cidade".