x
Publicado 03/09/2018 17:10:32

Ex-chefe da Defesa Civil de Friburgo em 2011, comanda combate a incêndio no Museu Nacional

Coronel Robadey, comandante Geral dos Bombeiros

O comandante-geral do Corpo de Bombeiros e secretário de Defesa Civil do RJ, coronel Roberto Robadey, definiu que é lamentável o incêndio que consumiu o Museu Nacional desde a noite de domingo (2). Natural de Cantagalo, o coronel era o chefe da Defesa Civil de Nova Friburgo na ocasião da tragédia climática de 2011.

“É um dos dias mais tristes da minha carreira. A gente reconhece esse patrimônio [Museu Nacional]. Meus pais me trouxeram aqui. Eu me lembro que, quando criança, me marcou muito aquele esqueleto de baleia. Mais recentemente eu trouxe a minha filha e andamos por todo o museu. Tudo o que a gente tinha aqui e saber que está tudo perdido e entrar ali dentro é desolador. São escombros, muita coisa queimada”, explicou Robadey.

Ele afirmou que o atendimento dos bombeiros foi rápido, mas o fogo já tinha grandes proporções quando a corporação chegou ao local.

“Nós saímos em 31 segundos do quartel. Temos o registro disso, o quartel mais próximo chegou e iniciou os primeiros combates. Já estava muito conflagrado. A gente imagina que em um ambiente fechado há algumas horas a combustão já estava se desenvolvendo e até que alguém detectasse, já tinha tomado muitos ambientes e, com esse material altamente combustível, o incêndio se desenvolveu rapidamente”, destacou.

O comandante do Corpo de Bombeiros confirma que os agentes tiveram dificuldades no combate às chamas. "Dois hidrantes próximos estavam sem carga. Não adianta ter um pouco de água. O hidrante tem que ter a capacidade máxima".