x
Publicado 11/08/2017 18:59:27

Filmes da semana 11/08 até 17/08

Estreia esta semana em Nova Friburgo Valerian e a Cidade dos Mil Planetas. Luc Besson, diretor francês de filmes como Lucy, O Quinto Elemento e O Profissional, consegue depois de muito tempo e tentativas, levar para as telas a ficção científica dos quadrinhos criadas por Jean-Claude Mézières e Pierre Christin que serviu de base para George Lucas e muitos outros filmes. Foi a produção mais cara da história do cinema francês mas, apesar de visualmente deslumbrante, é simplório, narrativamente mal conduzido e cansativo. São 137 minutos que podia ter sido a metade que daria na mesma. O que acontece, na verdade, é um início muito promissor ao som de David Bowie, quando diversas raças alienígenas acoplam na estação espacial. Durante algum tempo boas sequências vão apresentando e indicando os caminhos da trama, mas aos poucos a coisa toda fica dramaticamente desinteressante e bobo. Fora os nosenses que aparecem do nada. Enquanto o visual é incrível, o roteiro é fraco e inocente. Esse desequilíbrio condena o filme ao rótulo “é bonitinho mas é bobo”. Bessin acerta, muito por conta da intensão e das referências, mas o roteiro definitivamente não ajuda, tanto pela trama, quanto pelos diálogos sofríveis. Rihanna tem seu melhor momento no cinema, Ethan Hawke está divertido, Cara Delevingne faz o papel de sempre, assim como Dane DeHaan, de quem se espera mais e Clive Owen definitivamente não acertou. Mas temos que exaltar a visão de Luc Besson ao criar um contexto fantástico, ainda que exagerado, mas belo e coerente. Alexandre Desplat, compositor experiente ajuda narrativamente a dar peso ao universo criado por Besson. Ser bonito atualmente já não basta, precisa de conteúdo também. Vale sim o ingresso mas é para ver sem pensar. A indicação etária é para maiores de 12 anos.

A outra estreia desta semana nos cinemas em Nova Friburgo é O Reino Gelado: Fogo e Gelo. É a terceira produção da franquia que surgiu antes do mega sucesso da Disney Frozen, e que também se baseou no conto “A Rainha da Neve” do dinamarquês Hans Christian Andersen. Para que não conhece, ele escreveu no século XIX contos como “A Pequena Sereia, O Patinho Feio, O Soldadinho de Chumbo, só para citar algumas obras. Voltando ao filme, é uma animação russa sem a pompa dos grandes estúdios norteamericanos, mas que consegue imprimir boa qualidade visual e vem amadurecendo ao fugir dos clichês de sempre e das constantes lições de moral. É uma continuação que não depende tanto das animações anteriores para entender. Agora, a dupla Gerda e Kay estão com pompa de heróis mas sem dinheiro. Os conflitos iniciam e cada um acaba por adquirir poderes mágicos, o menino tem o fogo e a menina o gelo. Isso desencadeia forças que podem destruir o mundo e eles vão precisar juntos “adiar” o armagedom. Temos ainda outras personagens interessantes para o desenvolvimento do enredo como o pirata Roni, o já conhecido troll Orm, que faz o alívio cômico. Não poderia faltar, afinal é uma fábula, um artefato cobiçado, a “pedra dos desejos”. Apesar de bem amarrado, o roteiro e muito infantil e só vai agradar mesmo as crianças. A lição final sobre a importância da família, apesar de previsível, é um ponto forte que conduz as ações da animação de forma coerente. Visualmente, o estúdio Wizart já demonstra força com momentos que até impressionam, como as cenas do menino Kay e suas labaredas. É sempre bom sair das propostas tradicionais dos estúdios de sempre e conhecer outras abordagens e narrativas. Não tem o glamour das animações do Tio Sam, mas vale sim o ingresso. A indicação etária é livre, claro.

Sugestão:
Para assistir em casa a dica desta semana vai para LINCOLN. Um show de Daniel Day-Lewis e, com mais acertos do que maneirismos hollywoodianos, Steven Spilberg dirige um drama com “cara” de biográfico sobre momentos importantes do aclamado presidente Abraham Lincoln.

 

 

Comentários

Nenhum comentário nesta notícia. Seja o primeiro comentando abaixo!

Comente sobre esta notícia