x
Publicado 14/09/2017 19:31:00

STJ autoriza investigação de doações da Odebrecht para Pezão

Pezão diz que nunca recebeu recursos ilícitos

O ministro Luis Felipe Salomão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), autorizou a abertura de um inquérito para investigar o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), a partir da delação premiada de executivos da Odebrecht.

A investigação foi solicitada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que afirmou existirem indícios de que Pezão recebeu doações em caixa dois da Odebrecht durante a eleição de 2014.

Em sua decisão, Luis Felipe Salomão destacou que o pedido da PGR apresenta, em tese, “a existência de fundamentos suficientes para a prática" de corrupção passiva. O caso irá tramitar em sigilo.

O juiz pediu para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) enviar a prestação de contas da campanha do governador, e para as forças-tarefas da Lava-Jato no Rio e em Curitiba compartilharem informações.
Ex-presidente da construtora Odebrecht, Benedicto Júnior afirmou, em sua delação, que a empresa pagou R$ 20,3 milhões na campanha de Pezão em 2014, via caixa dois — a prestação de contas apresentada pelo governador ao TSE não traz doações da Odebrecht. A empresa teria pago ainda € 1 milhão ao marqueteiro de Pezão em 2014, Renato Pereira, a pedido do ex-governador Sergio Cabral.

No depoimento, o ex-presidente da construtora identificou repasses para a campanha de Pezão relacionados ao contrato da Linha 4. Segundo o delator, os pagamentos aconteceram a pedido de Cabral. “O Pezão não sentou com a Odebrecht para pedir dinheiro”, disse Benedicto Júnior.

Na época, Pezão divulgou uma nota afirmando que nunca recebeu recursos ilícitos e jamais teve conta no exterior. Ele disse ainda que todas as doações foram feitas de acordo com a Justiça Eleitoral.