x
Publicado 29/12/2015 13:43:38

Revelado em Friburgo, ex-policial se torna ator e quer lançar filme

Reginaldo Azevedo foi descoberto por uma produtora friburguense

Em 30 anos de trabalho nas polícias Civil e Militar, Reginaldo Azevedo, morador de Irajá, no Rio, foi personagem em várias reportagens de televisão. Principalmente nas de ação, que abordavam operações táticas. Tanta exposição na telinha lhe rendeu um convite inusitado, após se aposentar: o de tornar-se ator. Justamente interpretando policiais.

"Há um ano, uma produtora de vídeo de Nova Friburgo me convidou para fazer um papel em um curta-metragem, chamado “Chapa quente”. Disseram que eu fotografava bem, tinham me visto dando entrevistas. Então fiz o teste e passei. Mas o curta acabou não sendo finalizado, por falta de verba. Deve ficar pronto só em 2016. Logo em seguida, por coincidência, me chamaram para fazer outro curta, no mesmo estilo, em Rio Bonito, chamado “A dívida”. Tudo isso para mim foi muito bom, pois, como aposentado, sentia falta da rotina policial", diz Reginaldo Azevedo.

Depois das experiências iniciais, ele decidiu que queria mais.

"Resolvi fazer meu próprio filme. Fui ator, roteirista e codiretor, ao lado de Marlon Lopes, do curta “Calibre 40”, que conta a história de um menino sequestrado para o pagamento de dívidas de drogas do pai. Foi filmado entre Irajá e Rio Bonito e lançado em outubro. Estamos enviando a produção para vários festivais",afirma, animado. "Meu sonho agora é fazer um longa. Já estamos em busca de parcerias", sonha.