x
Publicado 18/06/2017 19:18:00

Nova técnica de redução de estômago é testada no Brasil

O novo procedimento é realizado sem cortes, via endoscopia e atualmente só está disponível de forma experimental, por um protocolo de pesquisa.

Pacientes com obesidade moderada (IMC acima de 30) poderão tratar o excesso de peso com uma nova técnica de redução de estômago aprovada, de forma experimental, recentemente no Brasil. Ao contrário da cirurgia bariátrica tradicional, indicada apenas para pacientes com IMC acima de 35 (associado à comorbidades), a gastroplastia endoscópica não é uma cirurgia propriamente dita, embora seja realizada em centro cirúrgico e com anestesia geral.

Na nova técnica, um endoscópio flexível com uma câmera de alta resolução é inserido no paciente por meio da boca até chegar ao estômago. Uma agulha com um fio altamente resistente costura parte do órgão, diminuindo seu tamanho para cerca de 60% do original e o deixando em formato de tubo. “Dessa forma, o estômago fica mais restritivo e com menor complacência, ou seja, não consegue dilatar”, explica o endoscopista Eduardo Grecco, um dos responsáveis pelo desenvolvimento da técnica. No período de um ano, a perda de peso estimada é de 20% a 25%.

Uma opção a mais
Para Caetano Marchesini, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), a gastroplastia endoscópica é uma técnica que vem complementar as opções existentes para o tratamento da redução de peso e não compete com a cirurgia bariátrica por apresentar resultados muito diferentes. “Esse procedimento se aproxima mais dos resultados do balão intragástrico e não da cirurgia.”

Segundo Marchesini, a restrição alimentar promovida pela cirurgia bariátrica tradicional é muito maior do que na técnica por endoscopia porque na cirurgia parte do estômago é realmente separada, o que altera também hormônios ligados à fome e saciedade. “A perda de peso na cirurgia bariátrica gira em torno de 40%, enquanto na endoscópica é 25%”, afirma.

Custos
Por se tratar de um procedimento novo, a gastroplastia endoscópica ainda não tem cobertura dos planos de saúde e será oferecida apenas para pagamento particular. Segundo Grecco, o procedimento todo gira em torno de R$ 40 mil.

Em nota, o Conselho Federal de Medicina (CFM) informou que a gastroplastia endoscópica ainda não consta do rol de procedimentos bariátricos reconhecidos pelo órgão. Informa ainda que, até o momento, não houve formalização de pedido para reconhecimento dessa técnica junto ao CFM e, por enquanto, o procedimento pode ser realizado apenas por meio de protocolos de pesquisa.

http://veja.abril.com.br