x
Publicado 16/01/2018 13:39:25

No RJTV, prefeito fala em entrevista sobre 5 temas do primeiro ano de mandato

Renato Bravo em dois momentos no estúdio da InterTv (fotos: divulgação)

O prefeito Renato Bravo (PP) participou nesta terça-feira, 16, de entrevista no RJTV primeira edição, da Intertv. No quadro "E agora prefeito?", ele respondeu perguntas relacionadas às areas de saúde, iluminação pública, pontos de ônibus intermunicipais, funcionalismo e usina de asfalto.

Ele foi entrevistado pela jornalista Luciana Thomaz no estúdio em Friburgo e ainda respondeu a indagações feitas pela também jornalista Fernanda Soares no estúdio de Cabo Frio, com perguntas dos telespectadores selecionadas pela produção.

ILUMINAÇÃO PÚBLICA

Durante a entrevista ao vivo, a emissora apresentou reportagem sobre a precariedade da manutenção de pontos de iluminação pública. O prefeito reconheceu o problema e disse estar aguardando a liberação do TCE para licitar a contratação de uma empresa terceirizada para retomar integralmente os serviços.

SAÚDE

Na saúde, Renato Bravo disse que o governo está fazendo uma auditoria em todos os processos internos, após a deflagração da operação da Polícia Federal que culminou com o afastamento da então secretária da pasta.

FUNCIONALISMO

Renato Bravo não estipulou prazo para resolver a queixa de servidores que recebem piso básico abaixo do salário mínimo. Ele disse a solução do problema passa pela disponibilidade de Orçamento, mas acrescentou que os valores estão sendo complementados através de abono.

Sobre a convocação de mais de 500 aprovados no concurso de 2015, o prefeito disse que depende do "receita orçamentária". Ele acrescentou que irá prorrogar por mais 2 anos a validade do concurso.

ÔNIBUS INTERMUNICIPAIS

Ainda na entrevista, o prefeito disse que "depois do Carnaval" irá decidir sobre o retorno dos pontos de ônibus intermunicipais no Centro de Friburgo.

USINA DE ASFALTO

O prefeito Renato Bravo reconheceu também a queixa da população sobre a quantidade exorbitante de buracos nas ruas de Friburgo. Ele disse que a Usina de Asfalto da Chácara do Paraíso - adquirida pelo antecessor - está parada devido aos altos custos de operação. Ele disse que o governo tem usado o equipamento antigo, conhecido como asfalto quente. "[o governo] precisa ser mais eficaz", reconheceu ele afirmando que a Prefeitura pretende adquirir produtos para abastecer esta usina antiga, cujo custo é mais barato para a Prefeitura.