x
Publicado 01/10/2015 15:05:43

8 cuidados para espantar os germes da academia

Suor, espirros, piscina... a academia é um parque de diversões para bactérias e vírus. Adote estes cuidados e treine sem medo de pegar (e transmitir) doenças contagiosas

1. Nunca ande descalça no vestiário. O ambiente é cheio de bactérias e vírus, como o papilomavírus, causador de verrugas e do HPV, e de fungos responsáveis por micoses e frieiras. Basta o contato com a pele ligeiramente ferida para a infecção acontecer.

2. Está doente? Fique em casa. Além de passar a doença para os colegas (gripe, diarreia e conjuntivite são as mais transmissíveis), o esforço físico diminuirá a eficiência do sistema imunológico.

3. Ande com uma toalhinha. Coloque-a nos bancos dos aparelhos e colchonetes para evitar o contato – por estarem sempre úmidas, essas superfícies estão recheadas de bactérias como os estafilococos, causadores de infecções na pele.

4. Passe álcool 70 nos aparelhos antes de usá-los. As academias costumam deixar o produto à disposição, mas vale sempre a pena carregar um no nécessaire.

5. Use luvas. Elas ajudam a diminuir o contato com o aparelho, especialmente os ferros, que, por serem muito ásperos, retêm maior quantidade de micro-organismos. Essa aspereza também causa microabrasões na pele, facilitando a transmissão.

6. Lave tudo o que usar na academia. Roupas, luvas e até bolsas, por receberem suor, ficam úmidas e são um parque de diversões para bactérias e fungos. “O ideal é lavar tops, camisetas e leggings a cada uso. Já as luvas podem ser higienizadas uma vez por mês”, instrui Davis Ferreira, vice-diretor do Instituto de Microbiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). As consequências da falta de cuidado variam entre coceira, dermatites e até candidíase.

7. Leve sua própria garrafinha. A transmissão de doenças pode acontecer pelo simples ato de beber água no bebedouro, mesmo sem encostar sua boca diretamente nele. Na hora de encher o squeeze, evite apoiá-lo na torneira.

8. Cuidado com a piscina. Embora a água seja tratada, as bordas e o chão acabam infectados, especialmente pelos germes causadores de conjuntivite, diarreia e gripe. Como o contato é inevitável, procure não encostar as mãos na boca, nos olhos e no nariz.

http://corpoacorpo.uol.com.br/